Ouça a M80, faça o download da App.
Agência Lusa
19 junho 2024, 13:42
Partilhar

Cuidados Continuados dizem que casos sociais na rede são mais do que nos hospitais

Cuidados Continuados dizem que casos sociais na rede são mais do que nos hospitais
Agência Lusa
19 junho 2024, 13:42
O presidente da Associação Nacional dos Cuidados Continuados falava na comissão parlamentar de Saúde.

O presidente da Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC) disse hoje que sem os mais de 3.600 casos sociais na rede da ANCC haveria camas para todas as pessoas com alta mas que se mantêm internadas nos hospitais.

José Bourdain, que falava na comissão parlamentar de Saúde, onde hoje foi ouvido sobre o 8.º Barómetro de Internamentos Sociais, divulgado em maio e que indicava que, em março, havia 2.164 camas dos hospitais públicos ocupadas com internamentos indevidos, dos quais 44% aguardavam vaga na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI).

Segundo o presidente da ANCC, em abril havia 9.737 camas na RNCCI, 37% das quais ocupadas com casos sociais (3.603).

“Se nós retirarmos hoje todas as pessoas que são casos sociais da rede de cuidados continuados, ela daria resposta não só às pessoas que estão a aguardar vaga para cuidados continuados, como daria resposta à totalidade dos casos sociais que estão nos hospitais e ainda sobrariam muitas camas” na RNCCI, afirmou.

José Bourdain questionou se o país precisa mesmo de mais 5.500 camas - previstas no Plano de Recuperação e Resiliência – e respondeu: “Não sabemos”.

O responsável diz que a ANCC recebeu já várias queixas de pressões de profissionais dos hospitais para que as famílias levem as pessoas para casa.

”O que é facto é que nós temos muitas pessoas que estão em casa e deviam estar na rede, estão em ERPI [lares] e deviam estar na rede”, afirmou.

“Na realidade, não sabemos ao certo o número de pessoas que deveriam estar na rede de cuidados continuados (…). Somado aos números de pessoas que estão em hospital [indevidamente] torna-se difícil saber efetivamente qual o número de camas [em cuidados continuados] de que necessitamos”, disse o responsável.

José Bourdain disse ainda que o custo de uma diária em meio hospitalar é “o triplo” do custo em cuidados continuados, nas várias tipologias - Unidades de Longa Duração e Manutenção, Unidades de Convalescença, Unidades de Média Duração e Recuperação e Unidades de Cuidados Paliativos -, concluindo que ficaria mais barato abrir camas em lares de idosos ou vagas em apoio domiciliário.

“Se pensarmos em abrir mais camas em lares de idosos ou se pensarmos em abrir mais vagas em apoio domiciliário, já não estamos a falar de custo por dia, estamos a falar de custo por mês, ou seja, o custo por mês é muito mais barato para o Estado e para os contribuintes e seria uma forma de dar também resposta a muitas destas situações”, afirmou.

Voltou a insistir no subfinanciamento da rede e no facto de os valores pagos pelo Estado serem abaixo do custo, em todas as tipologias, o que traz graves dificuldades financeiras a muitas unidades, obrigando a encerrar camas.

A este respeito, lembrou o estudo da Faculdade de Economia do Porto apresentado o ano passado que indicava que as unidades de média duração eram as que tinham maior prejuízo devido ao subfinanciamento. Os dados estimavam que, em 2023, com a atualização salarial e a inflação, o valor podia chegar aos 500 euros mensais por utente.

O responsável lembrou que a legislação obriga desde 2007 a que os valores a pagar aos cuidados continuados sejam atualizados todos os anos com base na inflação do ano anterior e disse que a portaria publicada em fevereiro atualiza os preços face ao ano passado, mas esquece o ano de 2023, em que deveria ter sido tomada em conta a inflação de 2022, que chegou aos 7,8%.

“Mais uma vez os preços não foram atualizados como deveriam ser e mais uma vez as entidades tiveram de suportar os aumentos de salários mínimos e de aumentar também salários aos outros trabalhadores (…). Houve entidades que estiveram 12 anos sem aumentar o salário a um licenciado”, disse.